sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

O impulso da imitação : Lua minguante em Sagitário

No momento deste quarto-minguante com a Lua em Sagitário (22/2/2014 às 14:16 BSB), o Sol estará conjunto a Netuno em Peixes. Inseri aqui um texto do livro “Psicologia e Alquimia” do mestre Jung que condiz perfeitamente com esta configuração astral, levando-se em conta que, assim como o Sol, Netuno também faz aspecto tenso (90º) à Lua:
 
“Na realidade, não hesitamos em fazer as coisas mais absurdas a fim de escapar à própria alma. Pratica-se a ioga indiana de qualquer escola, seguem-se regimes alimentares, aprende-se de cor a teosofia, rezam-se mecanicamente os textos místicos da literatural universal – tudo isto porque falta fé em que algo de útil possa brotar de nossa própria alma. Pouco a pouco esta última tornou-se aquela Nazaré da qual nada de bom se pode esperar; vai-se portanto procurá-la nos quatro cantos da terra: quanto mais distante e exótico, melhor.”
 
Esta “interferência” de Netuno no momento presente nos convida a eliminar qualquer prática ou filosofia que não condiz com nosso processo de individuação. “Cada homem, cada mulher é uma estrela”, não podemos apenas seguir  “ o impulso da imitação e a avidez mórbida de apoderar-se da plumagem alheia, pavoneando-se com ela, leva muita gente a fazer uso desse tipo de temas “mágicos”, para uso externo, como se fosse unguento.” Assim nos perdemos no Caminho da Lua, o arcano do Tarot que nos alerta para as fugas e auto-enganos automatizados na crença de que estamos na via mais adequada. Meditação, silêncio e introspecção.

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

LUA CRESCENTE EM TOURO, SOL EM AQUÁRIO: A SAÍDA É O TAOÍSMO

No momento deste quarto-crescente, o que realmente chama à atenção é Netuno conjunto a Mercúrio em Peixes: mesmo que a Astrologia tradicional julgue esta posição de Mercúrio como mau estado cósmico, já que trata-se do planeta racional ligado a Gêmeos e Virgem, precisamos levar este julgamento a uma análise mais profunda. O signo de Peixes contém os arquétipos do inconsciente coletivo e do Cristianismo. Carl G. Jung, em seu livro “Aion – Estudos sobre o Simbolismo do Si-Mesmo” discorre brilhantemente e muito melhor do que muitos astrólogos sobre o signo de Peixes e respectivos arquétipos. Ele cita que “Peixes é um signo de dubiedades”, referindo-se ao provável nascimento de Cristo durante uma grande conjunção entre Saturno e Júpiter neste signo. Estas dubiedades iriam marcar a Era de Peixes que jogou a Humanidade em contrapostos como, por exemplo, ciência e religião. Hoje, o mundo se perde em dúvidas e incertezas que corroem nosso corpo emocional, enquanto o mental se entrega ao stress e ao turbilhão dos pensamentos incessantes. A saída é o taoísmo, que nos faz perceber que os extremos se tocam. Portanto, classificações planetárias da antiga Astrologia devem ser revisadas, estimulando nossa percepção, não nosso julgamento separativo.

 
E esta é também a saída para este quarto-crescente entre dois signos fixos (Lua em Touro e Sol em Aquário) que se dará hoje (6/2) às 17:22 (horário de verão). A falta de flexibilidade nesta fase de crescimento, construção e produção irá gerar destrutividade ou descontrole. Plutão em Capricórnio opõe-se a Júpiter em Câncer ainda e, seu aspecto é quase exato. Perder o controle por uma questão de radicalismo (Aquário) ou irredutibilidade (Touro) é o caminho do caos. Entre ambos está Vênus conjunto a Plutão em Capricórnio, dispositora da Lua em Touro. Nossos gostos, vontades, relacionamentos estão sendo testados e levados para um nível superior e desapegado. O taoísmo representado por esta belíssima conjunção entre Netuno e Mercúrio em Peixes nos convida à introspecção e reconhecimento da unidade. Boa hora para parar de pensar e começar a sentir.